Em Arapongas, no norte do Paraná, uma mulher transexual foi presa por roubo, encaminhada à cadeira pública, em uma unidade masculina, e teve o seu cabelo raspado. O caso foi trazido à tona pela Antra – Associação Nacional de Travestis e Transexuais e pela ativista dos direitos LGBTI+ Renata Borges. Esta última encaminhou denúncia ao MP e à Defensoria Pública para apurar a violação dos direitos da mulher e o desrespeito à identidade de gênero.

Em postagem no Instagram, a Antra classificou a situação como “inaceitável” e “desumana”.

“Esse tipo de situação além de inaceitável e desumana, viola os direitos humanos previstos em todas as convenções sobre os direitos da população LGBTQIA+ no sistema prisional.

A Antra e a ativista informaram, ainda, que irão apresentar uma reclamação junto à Corregedoria do Poder Judiciário com base na resolução 348/20, do CNJ, para exigir “respostas efetivas” e “garantir que situações como essa não voltem a acontecer”.

Situação de trans em presídios – Julgamento no STF

No STF, aguarda definição o julgamento que irá decidir se detentas transexuais e travestis com identidade de gênero feminino podem escolher o presídio no qual cumprirão pena. O caso terminou empatado em 5 a 5, pois à época o plenário estava com um ministro a menos em sua composição. O processo ainda não tem data para ser retomado.

A corrente liderada pelo relator, ministro Luís Roberto Barroso, defende o direito de escolha por cumprir pena em estabelecimento prisional feminino ou em estabelecimento prisional masculino, porém em área reservada, que garanta a sua segurança. A divergência aberta por Ricardo Lewandowski, por sua vez, sustenta que a ação não deve ser conhecida, já que a questão teria sido solucionada por outra via, com uma resolução do CNJ.